PLANTAS DE CASA

Formas na versão do utilizador de observar e cuidar de plantas de interior.

Diversos assuntos serão abordados neste blogue destinado a todos os que gostam de plantas e que somente possuem uma pequena varanda ou o espaço interno da casa para as colocar.

De uma forma simples, irei revelando pequenas dicas e conselhos sobre como desfrutar melhor das mesmas pela auto experiencia e observação de resultados de outras pessoas que jamais compraram um livro de plantas ou de jardinagem.

Por todo este blogue é possivel tambem encontrar outros textos relacionados com plantas e links direcionados a outras paginas de grande interesse sobre este assunto, visita-os para informações adicionais!...




EEem.

.
.

12/09/09

DALIA

E eis outra das plantas da minha infância. Por todo o lado na província natal da minha mãe, era possível vê-las crescer ás portas de casa e nos jardins da aldeia. Também eram as flores que mais adornavam os altares da igreja da terra e as suas pétalas eram misturadas com as de rosas para atirar aos santos aquando da sua passagem nas procissões religiosas da terra.
Nunca as tivemos em casa, a minha mãe dizia que não se davam bem em vasos e que depressa apodreceriam. Tentei uma vez criar Dalias em vasos e assim foi, rapidamente se encheram de pragas e acabaram por morrer.
A Dália é efectivamente uma planta de grandes espaços, no entanto, com a enorme variedade de híbridos que actualmente existem, seguramente que as coisas já não se processaram assim e deve existir variedades criadas efectivamente para crescerem em vasos.

Dália
Nome científico: dahlia *** (depende da variante)
Também conhecida por: dália de jardim
Semear: Janeiro a Maio
Profundidade: 15 cm
Floresce: Junho a Outubro
Altura: 120 cm (depende da espécie)
Luz: Prefere o sol pleno
Regas: Carece de regas regulares
Temperatura: Tolera o frio, mas não ventos
Ciclo: Anual
Originária: México e África do Sul
Significado: "tens bom gosto"
(Significado por cores) Amarela:"União reciproca"; Matizada: "Olhar enganador"; Rosada: "Delicadeza"; Roxa: "Tem piedade de mim"; Vermelha: "Os teus olhos queimam" In. GREENAWAY, Kate: A Linguagem das flores, Círculo de Luitores, 1977

Existem diversas variantes que lhe atribuem diferentes formas: simples, dobradas, semi dobradas, em formato de estrelas, esféricas, lembrando pompons, crespas ou retorcidas, curtas ou alongadas, espessas ou delicadas, grandes como a cabeça de um homem e pequenas como um ovo de galinha, etc...
Multiplica-se por semente, estaquia e a forma mais segura, por divisão de raízes.
Ao retirar as raízes da terra deve-se deixá-las penduradas de cabeça para baixo, pois o caule ainda tem armazenada alguma água que precisa de ser drenada. Também se deve catalogá-la quando se vai guardar para saber que cor possui.

São flores sedentas, por isso verificar os níveis de água e retirar as folhas desnecessárias para reduzir a transpiração e consequente desidratação da planta.
O seu nome deriva do botânico que as propagou no norte da Europa, Anders Dahl
Originalmente, as suas raízes serviam de alimento aos astecas que apreciavam o seu ligeiro sabor amargo, mas agradável, das suas cocoxochitl como lhe chamavam.

As flores secas devem ser retiradas para que outras flores tomem o seu lugar.
Pode ser usada como flores de corte para colorir e enfeitar a casa, no entanto não são boas para jarros largos pois devido ao seu grande peso, as flores tendem a cair e o efeito estético pode não ser o melhor. Jarras estreitas e altas são o mais indicado. Também são agradáveis em pequenos bouquets de duas ou três flores para mesas pequenas ou apontamentos de cor viva.

Não são difíceis de criar, de uma forma básica e desde que tenham espaço para crescer, essencial nas variedades de maior porte, agua em quantidade, uma dose de adubo semanal quando estão floridas, terra de boa drenagem (gostam de agua mas não de estar alagadas) e bastante sol mas não demasiado quente, tudo correrá bem e o ciclo completar-se-á.
No entanto, os profissionais das estufas de flores de corte que comercializam as suas flores, possuem truques valiosos para as fazerem dar melhores flores.

As flores por vezes necessitam de ser tutoradas devido ao seu tamanho e peso.
Depois da floração a planta irá a pouco e pouco definhando e a agua deve ser gradualmente reduzida ate desaparecer por completo. Os tubérculos (raízes), devem ser desenterrados e guardados em lugar seco e fresco até á próxima plantação.
É nesta altura que se podem dividir os rizomas e posteriormente criar novas plantas.
Caso deixe os tubérculos enterrados no jardim ou floreiras, certifique-se de que se mantém secos e protegidos de geadas fortes.

Truques
When planting dahlia bulbs, break apart the roots without loosing any of the eyes on the bulb that produce the plant. Put dahlia bulbs in the ground, or in a pot, right away to prevent them from drying out with tips from a sustainable gardener in this free video gardening.

Expert: Yolanda Vanveen
Contact: www.vanveenbulbs.com
Bio: Yolanda Vanveen is a third-generation flower grower and sustainable gardener who lives in Kalama, Wash. She is the owner of VanveenBulbs.com.
Filmmaker: Daron Stetner



One of the first things to do to ensure proper growth.


Mais videos sobre Dalias no Youtube

2 comentários:

Rafael Coutinho disse...

Olá, tudo bem?

Parabéns pelo excelente blog! Tenho um artigo sobre Flores que gostaria de publicar no site. É possível? Por favor entre em contato através do meu email (rafael@linkaonline.com.br) caso haja interesse.

Abraço

Perfumes Bighouse disse...

Oiii.
Dálias são lindas e recordo que eram muito frequentes nos jardins da minha infância. Hoje vejo poucas em comparação com este tempo, mas ainda me parecem magníficas. Beijocas de Elisabeth de cotidianobighouse.